Sábado, 16 de Dezembro de 2006

Eu aprendi

 

 



Eu aprendi:
Que não posso exigir o amor de ninguém, posso apenas dar boas razões para que gostem de mim e ter paciência para que a vida faça o resto;
Que não importa o quanto certas coisas são importantes para mim, há pessoas que não ligam “a mínima” e jamais conseguirei convencê-las que posso passar anos a construir uma verdade e destruí-la em apenas alguns segundos.
Eu aprendi:
Que posso fazer algo num minuto e ter que responder por isso o resto da minha vida;
Que por mais que eu corte o pão às fatias, esse pão continua a ter dois lados e, o mesmo se aplica em tudo o que se atravessa na nossa vida.
Eu aprendi:
Que vai demorar muito para me transformar na pessoa que quero ser, e devo ter paciência;
Que posso ir além dos limites que eu própria coloquei;
Que preciso escolher entre controlar os meus pensamentos ou ser controlada por eles.
Eu aprendi:
Que os heróis são pessoas que fazem o que acham que devem fazer naquele momento, independentemente do medo que sentem;
Que perdoar exige muita prática; condenar é mais fácil!
Que há muita gente que gosta de mim, mas que não consegue expressar isso.
Eu aprendi:
Que nos momentos mais difíceis, a ajuda veio daquela pessoa que eu achava que nunca se lembraria de mim.
Que eu posso ficar furiosa, tenho o direito de me irritar, mas não tenho o direito de ser cruel e de tratar mal os outros;
Que jamais posso dizer a uma criança que os seus sonhos são impossíveis.
Eu aprendi:
Que o(a) meu(minha) melhor amigo(a) vai magoar-me de vez em quando, e que eu tenho que me habituar a isso;
Que não é bastante ser perdoada pelo outros, eu preciso perdoar-me primeiro;Que, não importa o quanto o meu coração esteja a sofrer, o mundo não vai parar por causa disso.
Eu aprendi:
Que as circunstâncias da minha infância e adolescência são responsáveis pelo que eu sou, mas não pelas escolhas que eu fiz quando jovem ou adulta;Que numa disputa, eu preciso escolher de que lado estou, mesmo quando não quero envolver-me.
Que, quando duas pessoas discutem não significa que elas se odeiem. E quando duas pessoas não discutem não significa que elas se amem.
Eu aprendi:
Que por mais que eu queira proteger a minha família e os meus amigos, eles vão-se magoar e, eu também serei magoada, porque isso faz parte da vida;
Que a minha existência pode mudar para sempre em poucas horas, por causa de gente que nunca vi antes;
Que diplomas na parede não me fazem mais respeitável ou mais sábia.
Eu aprendi:
Que a palavra amor perde o sentido, quando usada sem critério, vulgarizada;
Que certas pessoas vão-se embora de qualquer maneira, quer você queira ou não;
Que é difícil traçar uma linha entre ser gentil, não ferir pessoas, e saber lutar pelas coisas em que se acredita.
sinto-me: em paz
música: a media luz
publicado por natydocura às 11:04
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2006

Encantos da vida

                                                                                                     

                                                                                                    

                                                                                               

 

 

 

 

Encantos da vida

Hoje estiveste
Será que amanha estarás?
O meu coração, diz sim
A minha alma, diz n
ão


Mistura de sentimento
Tudo nasce e morre
No mesmo instante
Em que nasce

Porque será que sempre que se foge
A flecha apanha, sopra e espeta
Não dói, corrói
Tu és hoje
Serás, amanha?

Encantei-me de ti
Gostei de ti
Tu és luz
Verdade
Sentimento
Sem vaidade
Sem maldade

Tu és realidade
Verdade
E encanto, da alma, do coração
Sem ilusão, sem medo e sem traição

Tu és hoje
Será que serás, amanha?

Tudo passara de um encanto
Tudo passara de uma ilusão
Tudo é e sempre será
Encantos da vida

 

 

 

sinto-me: bem
música: sei-te de cor
publicado por natydocura às 22:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2006

Menino só

 

 

  Menino só

 

Assim que o Anjo descer,

Hei-de sentar-me na estrada

Ao pé da hora marcada

Para o menino nascer.

E quando venha -

sem mais Porque o não quero também iMaculado

- Hei-de fitá-Lo e sorrir

Pensando no que podia.

Mas não lhe quero ensinar:

Nem a ler, Nem a contar,

Nem que requinte a mentir.

Depois - mas depressa,

Não lhe desponte um vislumbre De lucidez na cabeça -

 

 

 

sinto-me: Em paz
música: natal
publicado por natydocura às 20:56
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Dezembro de 2006

Mensagem de Natal

 

 

 

 

 

 

  

 Que o espírito de Natal desperte em você a emoção de viver

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Não permita que o Natal seja apenas a ilusão de uma noite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espalhe durante toda a sua vida a luz da solidariedade 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: Em paz
música: Noite Feliz
publicado por natydocura às 10:32
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 7 de Dezembro de 2006

Falar de Amor

 

 

 

 

 

 

Falar de Amor


Se não estivesse fora de moda... 

Eu iria falar de Amor. 

Daquele amor sincero, olhos nos olhos, 

frio no coração. 

Aquela dorzinha gostosa, 

de ter muito medo de perder tudo. 

Daqueles momentos que só quem já amou um dia, 

conhece bem. 

Daquela vontade de repartir, 

de conquistar todas as coisas... 

Mas não para retê-las no egoísmo material da posse, mas doá-las, no sentimento nobre de amar. 

Se não estivesse fora de moda... 

Eu iria falar de Sinceridade. 

Sabe, aquele negócio antigo 

de fidelidade, respeito mútuo... 

e outras coisas mais. 

Aquela sensação que embriaga mais que a bebida. 

Que é ter, numa pessoa só, a soma de tudo que 

as vezes procuramos em muitas. 

A admiração pelas virtudes, aceitação dos defeitos... 

E sobretudo, o respeito pela individualidade, 

que até julgamos nos pertencerem, 

sem o direito de possuir. 

Se não estivesse tão fora de moda... 

Eu iria falar em Amizade. 

O apoio, o interesse, a solidariedade de uns 

pelas coisas dos outros e vice-versa. 

A união além dos sentimentos 

e a dedicação de compreender para depois gostar. 

Se não estivesse tão fora de moda... 

Eu iria falar em Família. 

Sim!  Família! 

Pai, mãe, irmãos, irmãs, filhos, lar... 

O bem maior de ter uma comunidade unida 

pelos laços sanguíneos e protegidas pelas 

bênçãos divinas. 

Um canto de paz no mundo, o aconchego da morada, a fonte de descanso e a renovação das energias. 

Família... 

O ser humano cumprindo sua missão mais sublime 

de seqüenciar a obra do criador. 

E depois... 

Eu iria até, quem sabe, falar sobre algo como... 

a Felicidade. 

Mas é pena que a felicidade, 

como tudo mais, há muito tempo já está 

fora de moda. 

Sabe de uma coisa... 

Me sinto feliz por estar tão fora de moda. 

E você? 

Também está fora de moda como eu? 

Espero que sim! 


                                    LUIS SILVA

sinto-me: alegre
música: foi feitiço
publicado por natydocura às 15:00
link do post | comentar | favorito

Eu te amo

 

Eu Te amo

Eu te amo
Antes e depois de todos os acontecimentos
Na profunda imensidade do vazio
E a cada lágrima dos meus pensamentos.

Eu te amo
Em todos os ventos que cantam,
Em todas as sombras que choram,
Na extensão infinita do tempo
Até a região onde os silêncios moram.

Eu te amo
Em todas as transformações da vida,
Em todos os caminhos do medo,
Na angústia da vontade perdida
E na dor que se veste em segredo.

Eu te amo
Em tudo que estás presente,
No olhar dos astros que te alcançam
Em tudo que ainda estás ausente.

Eu te amo
Desde a criação das águas,
desde a idéia do fogo
E antes do primeiro riso e da primeira mágoa.
Eu te amo perdidamente

Desde a grande nebulosa
Até depois que o universo cair sobre mim
Suavemente.

sinto-me: muito feliz
música: Será que é amor
tags:
publicado por natydocura às 14:30
link do post | comentar | favorito

AMAR

 


UM GRANDE AMOR

Como é bom sonhar sonhos lindos,
nas horas de boas lembranças,
no tempo de ser feliz,
em momentos de alegria,
quando nem mesmo a saudade
pode indicar separação !
Como é bom te ver,
como é bom te amar e sentir
que a distância não existe !
bom é o amor
que nos faz tão próximos,
que nos faz tão juntos,
e te faz tão meu (minha) !
Como é grato o amor
que põe minha vida na tua
em dimensão de encanto !
Boa é a ternura,
a sensação de carinho
de dois seres
vivamente enamorados !
Para um grande amor,
não há fronteiras,
não há limites
no ontem, no hoje, no agora
de toda a eternidade !

sinto-me: romantica
música: Eu sou desejo,você é paixão
tags:
publicado por natydocura às 14:24
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Anjos

Nunca diga que esqueceu um amor. Diga apenas que consegue falar nele sem chorar, pois o amor é... inesquecível"

Eu queria ser poeta,
mas poeta eu não posso ser,
porque poeta pensa muito
e eu só penso em você.

Eu te amei no passado,
e te amo no presente.
Se o futuro permitir,
te amarei eternamente!


"As mais lindas frases de amor são ditas no silêncio de um olhar."



"O amor perguntou ao ódio: Porque me odeias tanto? O ódio respondeu: Porque um dia eu te amei demais."



"Se dois lábios não podem se beijar, dois olhos se beijam numa troca de olhar."



"Quando duas pessoas se amam, elas não se submetem e não se dominam, apenas se completam!"

 


Talvez tenha sido por um olhar...
Talvez por um sorriso...
Talvez tenha sido por aquelas palavras
Talvez por aquele instante contigo...
Talvez um dia estejamos juntos
e talvez tudo seja esquecido...
Talvez possam existir outros momentos
e aí, quem sabe...
Nem tudo estará perdido.'

sinto-me: apaixonada
música: sieelamorseva
tags:
publicado por natydocura às 12:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Dezembro de 2006

De tanto Amar

 

Oriza Martins

Deixei de ouvir os sons do arrebol,

E o aroma das flores de apreciar,

De curtir áureos tons do pôr-do-sol,

Deixei. Por ti deixei... de tanto amar.

 

 

Olvidei de tanta crença, sonhos tantos,

Que me afastei de muita paixão antiga:

Leituras, preces, meditação, seus encantos,

Além da poesia – companheira e sempre amiga...

 

 

E se, de tanto amar, a tanto renunciei,

Quero crer que posso hoje, sem amarras, comentar

O sonho equivocado de que enfim eu despertei,

Sufocante, egoísta e sedutor... de tanto amar.

Mas, no ciclo das paixões a mover-se novamente,

É inútil prevenir-me desta vã constatação:

Que razão e emoção são um misto incoerente,

Traduzido em amor... desvario... excitação...

 

 

Pois agora a consciência, prudentemente, me diz

O mesmo que o coração insiste em me revelar:

Que de novo livre estou, pra ser ou não-ser feliz,

Ou, para mais uma vez, me esvair... de tanto amar.

 

 

Oriza/2005

sinto-me: triste
música: foi feitiço
publicado por natydocura às 20:31
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 5 de Dezembro de 2006

O amor é uma companhia


O AMOR É UMA COMPANHIA

O amor é uma companhia.
Já não sei andar só pelos caminhos,
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visível faz-me andar mais
      depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir
      vendo tudo.

Mesmo a ausência dela é uma coisa que
      está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar.
Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as
      árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que
      sinto na ausência dela.

Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol
      com a cara dela no meio.


sinto-me: carente
música: sonho a dois
publicado por natydocura às 22:28
link do post | comentar | favorito
Domingo, 3 de Dezembro de 2006

NATY

 

 

 

 

Image Hosted by ImageShack.us

publicado por natydocura às 18:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.A minha terra

Montemor-o-Novo tem construído o presente e projectado o futuro ancorado no seu passado histórico, rico de memórias. Aí cimenta a sua identidade e é patente a sua força e diferença face a todos os outros lugares do Mundo. Uma identidade que afirma a sua presença ao Alentejo, região em que o Homem moldou e soube manter ao longo dos tempos uma "linguagem", uma cultura, uma arquitectura, única no país e na Europa. Outro mundo, outro ritmo. Unidos por uma forte vontade colectiva de progresso, eleitos e população, têm vencido atrasos ancestrais, tendo vindo a construir um concelho de apetecida qualidade de vida, de activa dinâmica comunitária, de apego a valores democráticos e de justiça social, de prestígio nacional e internacional. Montemor-o-Novo, no que do Poder Local depende, está a dar um salto qualitativo no seu desenvolvimento. Uma visível mudança positiva tem vindo a inscrever Montemor no futuro. As nossas inovadoras Piscinas Recreativas, o seu magnífico Parque Urbano, o ímpar Parque de Exposições, realizações por excelência que projectam Montemor, surgem no topo de um vasto programa autárquico centrado na melhoria das condições de vida dos montemorenses e da valorização da cidade e do concelho. Muito se tem feito nestes últimos 25 anos de exercício. Destacamos um pouco do muito feito: o enorme sucesso da política municipal de urbanismo e apoio à habitação, o aumento contínuo de investimento nos arruamentos e caminhos, no abastecimento de água e saneamento, na imagem urbana, na higiene e limpeza e na iluminação; o marcante programa de acção social onde pontifica o salto no apoio a reformados, idosos e deficientes; o ambicioso plano ambiental; as acções de apoio ao desenvolvimento económico; a qualidade, relevância e prestígio da política sócio-cultural e desportiva; o enorme reforço do apoio às instituições e iniciativas locais incrementando as actividades e dinâmicas concelhias; a descentralização para as freguesias, a defesa da regionalização e da democraticidade do Poder Local; a gestão democrática e participada pelas populações. No entanto, sabemos que os problemas estruturais que se sentem no nosso concelho, à semelhança de tantos outros no Alentejo, não dependem das autarquias nem da vontade das populações. Dependem de políticas do poder central que contínua a esquecer o interior. Daí que saibamos que para resolver os principais problemas (saúde, emprego, investimento, diversificação da base económica, etc.) é fundamenta l uma nova política nacional de desenvolvimento regional. Por isso, para além da disponibilidade de colaboração com o Poder Central é indispensável uma forte acção reivindicativa, que em Montemor já deu os seus frutos, como é o caso da construção da Barragem dos Minutos ou de mais e melhores instalações para os idosos, mas há que continuar e reforçar as reivindicações ao Poder Central, para que outros projectos, necessários a Montemor, se concretizem. Uma enorme contradição percorre hoje as sociedades humanas. Por um lado, uma enorme e crescente capacidade para produzir riqueza. Por outro lado, uma igualmente enorme e crescente desigualdade social decorrente da apropriação daquela riqueza por uma pequena elite à escala mundial e também à escala nacional. Estamos profundamente convictos que é possível e desejável lutar por uma sociedade onde aquele imenso potencial sirva a generalidade da população. Estamos profundamente convictos que esse é o caminho que honrará a história e a memória do Alentejo e do seu povo, que esse é o caminho para um futuro de dignidade para todos.

.mais sobre mim

.links

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.arquivos

. Março 2016

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Agosto 2012

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds