Segunda-feira, 9 de Junho de 2014

UMA BRISA

Uma brisa suave anuncia-nos o Céu

quando em extâse cubro o teu corpo como um véu.

Que na troca de olhares, no sorriso cúmplice

tudo o que somos se resume.

Quando nada se diz e o suor escorre

e o teu prazer pede que o exume

os beijos falam...

e o medo morre!

 

Aí, o vulcão que te liberto mergulha-me;

minha boca sente na tua todo o mel

dos favos ricos, da tua sede, do pincel

com que a tua mão pinta arrepios na minha pele.

 

E a tua lava envolve-me, ardente e segura

e deixa do meu pranto a fonte enxuta

E quando ao acaso o teu verbo augura

entrego-me extático sem dar luta!

 

E é aí, nesse mesmo momento

em que partindo da tua face benzida a prazer,

do teu espírito já errante, viajante, voador,

que o meu se funde à tua Paz com um grito que vem ser

como o de Ipiranga, libertador!

 

Voamos para além do Céu!

Voamos para além da dor!

Voamos para viver o que o destino nos investe...

A Paz celeste...

O nosso Amor!

Rui Dini

 

 

tags:
publicado por natydocura às 12:47
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De jose gouveia a 9 de Junho de 2014 às 21:00
e lindo o poema, adorei

Comentar post

.mais sobre mim

.links

.tags

. todas as tags

.pesquisar

 

.arquivos

. Março 2016

. Outubro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Agosto 2012

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds